Desvendando a extrema utilidade da Buyer Persona

Toda ação de marketing de conteúdo precisa se comunicar com a persona. Sem essa abordagem, todo esforço poderá não funcionar. Muitas marcas deixam esse aspecto de lado e acabam amargando suas estratégias. A importância dela é vital, pois direciona toda a criação das peças. Para explicar isso, vamos resumir alguns pontos importantes e evidenciar a relevância dessa técnica que pode até reduzir despesas em todo processo.

O que é uma buyer persona, afinal?

Segundo um post da RD Station, “Personas são representações fictícias do seu cliente ideal, cuja criação é baseada em dados verdadeiros sobre características demográficas e comportamentais dos seus clientes, assim como um entendimento sobre as suas motivações, objetivos, desafios e preocupações.”

Ainda na mesma publicação, fica clara a necessidade de entender e diferenciar quem são os prospects e em quais canais eles serão impactados, pois há diferenças entre o público-alvo mais aberto e genérico do outbound e a persona mais específica e segmentada no Inbound. Lembre-se que esse conceito auxilia nas criações ON e OFF!

Construindo a tal da persona

Engana-se pensar que ela é desenhada por sexo, idade ou região etc. Estamos falando de hábitos de consumo e preferências pessoais que se casam com as propostas de uma venda. Por meio de pesquisas ou em contato com a marca, torna-se possível traçar dados relevantes e comuns entre os clientes ou consumidores. Essas informações ajudam demais na criação do tom de voz e da linguagem em todas as fases do funil de vendas.

Nessa elaboração, é essencial detectar quais são os sentimentos envolvidos, os desejos, os medos, os desafios, as crenças, o estilo de vida, as frustrações, os hábitos de compra, os costumes, as angústias, dores e bloqueios desta pessoa. A partir daí, fica muito mais fácil produzir um conteúdo assertivo, ativando as motivações adequadas a este relacionamento. Aliás, é válido levantar quais mídias e tecnologias que eles mais usam, e onde fazem pesquisas!

Dependendo do contexto, é conveniente conhecer a ocupação profissional e o nível acadêmico da persona, decifrando suas habilidades pessoais, as exigências e ferramentas de seu cargo, além de sua capacidade de influenciar. Em nível pessoal, entender a rotina ajuda a localizar brechas para inserir o produto ou serviço. Os hobbies, as tribos e formas de lazer da persona dão pistas sobre os comportamentos mais favoráveis e estimuláveis.

É válido lembrar que diferentes verticais de negócios ou situações de compra exigem personas distintas para um mesmo produto, mudando consequentemente toda régua de comunicação do funil, sendo uma para cada persona.

Ok. E o que eu faço com isso?

Tendo os dados tabelados, crie uma pessoa fictícia com essas informações. Ele é o seu potencial cliente. Sua comunicação deve convencê-lo. De acordo com o blog da Rock Content, com a persona definida é possível aprofundar o conhecimento com o público e entender o valor do seu produto/serviço para ele. Em seguida, defina os canais de comunicação e busque otimizar experiência do usuário a partir do conteúdo, da linguagem e do tom de voz.

No blog da Resultados Digitais, uma citação resume perfeitamente o raciocínio de toda essa técnica. “Criamos nomes para as personas porque isso facilita os debates internos, colocando a persona como alvo. Por exemplo: “mas você acredita que a Joana se interessaria por isso?”. É exatamente assim. Na dúvida, questione o que a persona adoraria receber ou o que ela poderia rejeitar. E se a persona pode desconhecer a marca, convém analisar como se daria a abordagem e a veiculação do material neste caso.

Sabia que existe o outro lado também?

Há também a brand persona, construída com a mesma estrutura de um personagem fictício com os mesmos elementos da buyer. A diferença é que esta persona representa a própria marca, com suas necessidades, seu posicionamento, sua verdade e seus princípios. A brand persona dá um rosto, uma alma e uma voz à marca no contato com público. É a partir dela que se gera engajamento e aproximação dos valores dos clientes aos valores da marca.

Um exemplo de brand persona bem conhecido é o típico jeito de se expressar da Netflix Brasil pelo Twitter, cuja construção da voz estabelece um jeito próprio de falar com gírias, memes e até regionalismos nacionais em sintonia com a linguagem visual.

Não é o mapa da mina, mas pode levar ao tesouro

De um modo geral, as personas orientam palavras-chave e o SEO de conteúdo, auxiliam na jornada do cliente, propõem assuntos relevantes e endossam a presença da marca nas mídias diversas com estratégias e periodicidades ponderadas.

Montar qualquer persona pode ser uma longa e deliciosa investigação que irá facilitar em muito a execução de estratégias e processos de comunicação.

Já pensou em montar as personas do seu negócio? Fale com a gente!

 

Posted on 24/08/2020 in Marketing

Compartilhar

Response (1)

  1. […] Segundo a Rock Content, a criação da persona é essencial para saber com quem você está falando. Com a persona em mãos, será mais fácil dialogar com o seu público, adequando o discurso a ele. Em seguida, também vale pensar na brand persona da marca. Você pode ler mais sobre essas personas em outro post nosso clicando aqui. […]

Back to Top