Entenda como o Branding trabalha a gestão de sua marca

Grandes marcas executam estratégias para conquistar a mente e o coração dos consumidores. Para isso, buscam reforçar o relacionamento entre ambos, para fidelização render resultados. Esse exercício é um clássico do marketing: o branding. 

E, nos tempos de hoje, é muito necessário falar sobre isso.

O conceito de Branding surgiu antes do Marketing Digital. Isso mesmo! Quando a internet ainda não dava as caras, e as marcas se posicionavam por meio da publicidade convencional. 

À época, o relacionamento era “top down”. E genérico, sem muitas possibilidades de segmentação. Já no mundo conectado de hoje, o relacionamento passou a ser de igual para igual. E tudo se segmentou. Porém, a base do conceito continua a mesma.

O Branding faz o balanço do posicionamento, da verdade e do propósito agregado aos valores da marca. A ideia é criar/fortalecer vínculos sensoriais, ideológicos e afetivos. O objetivo é que o cliente, na hora de decidir por um produto ou serviço, lembre-se de sua marca. E a escolha.

Ao pensar em qualquer marca conhecida, nos vem à mente o nome, as cores, as fontes, as formas envolvidas e até a sua assinatura sonora. E aí está a oportunidade do branding: provocar sensações e ligações mentais, que levam à compra do produto ou serviço.

O logotipo, a letra, os discursos e posicionamentos, o tom da voz, os valores da empresa, o slogan, os jingles e todas as peças on/off dentro e fora do PDV irão representar a personalidade e a identidade de uma marca na vida do consumidor. 

É o significado na forma de símbolos. Um código percebido de maneira quase automática. Por isso, é importantíssimo.

A presença de uma marca é análoga a de uma pessoa. Ela tem expectativas, memórias, histórias, relacionamentos e até sentimentos. 

Isso faz do Branding uma técnica competitiva para demonstrar o diferencial de produtos e serviços. Além de ser um oportuno processo de humanização, que vem se fortalecendo desde o Marketing 3.0, de acordo com o publicitário e professor norte-americano Philip Kotler.

Pesquisas indicam que consumidores podem mudar a ideia de compra baseado em conceitos que ele tem sobre a marca e seu comportamento. Um deles é o compromisso com a verdade. Ou seja, aqueles speeches exagerados, podem colocar tudo a perder. 

A sinceridade é um valor muito apreciado na hora da venda.

Quando a marca tem personalidade e um propósito nítido, ela cria identificação com o público, com suas vidas, suas crenças e seus costumes. Será bem-vinda para promover boas experiências, que impulsionam a recomendação, que sempre foi uma das estratégias mais poderosas para atrair clientes, desde os velhos tempos. 

Vale destacar que, atualmente, a internet deu ainda mais propagação à indicação boca a boca.

A partir daí, o Marketing Digital abriu mais possibilidades para o branding, com canais personalizáveis, com menor custo para implementar campanhas de relacionamento e divulgação com o público, além de oferecer diferentes maneiras de realizar a compra. São eles: 

  • WhatsApp,
  • E-mail, 
  • Facebook, 
  • Instagram, 
  • YouTube, 
  • Entre outras redes sociais, estratégicas para o crescimento dos negócios, com conteúdo que aumente a visibilidade e que passe a ideia de autoridade no meio. 

Aliás, recomenda-se muito ter um site que ofereça uma excelente experiência ao usuário. Isso é um dos fatores que auxiliam em um bom posicionamento nos resultados de busca orgânica, assim como promovendo todas as novidades, com anúncios patrocinados.

Sabendo que o propósito é o valor mais precioso da marca, o grande desafio delas é criar um ecossistema de pessoas engajadas e dispostas à aquisição de novidades. E nisso, a ICE tem excelentes ideias e ferramentas para desenvolver essa necessidade.

Posted on 10/07/2020 in Marketing

Compartilhar

Back to Top